19 de dez de 2012

Sinto Nia



Sensação, por excelência
não tem nome, classe ou cor
Não se explica a existência
ninguém sabe o que é amor,
Vai dizer que nunca viu
[se não, é injustificável!]
Alguém dizer que já sentiu
um sentimento inexplicável?
O "sentir" nasceu aberto
sem registro no cartório
Veio pra ser descoberto
no sorriso mais simplório,
Vai brotar de um olhar
ou d'um gesto em gratidão
Que te faça arrepiar
os pêlos do coração,
E de ser indefinido
tão infinito e tão vazio
Receio então ter sentido
o sentimento que agora crio,
Faz babel e vendaval
cala a boca do estômago
Faz nevar no litoral
altera todo meu âmago,
Puxa-me para o fundo
Devolve-me à superfície
E sinto pulsar o mundo
Nas frases que ela me disse:
"meu bem, o amor não tem nome
é dito com os olhos, quão doce!
Não morre, não seca, não some
nem é sentimento, antes fosse!"


Thuan Bigonha de Carvalho

14 de nov de 2012

Lei do Silêncio

No meu templo
Sempre é tempo
De ser mudo,
Ao orar
Sem dizer nada
Diz-se tudo;

No meu templo
Sempre é tempo
De sorrir,
O meu Deus
É o único modo
De servir;

No meu templo
Sempre há tempo
Para abraços,
Encaixar fé
Encaixar amor
Entre os espaços;

No meu templo
Sempre é tempo
De silenciar,
É com os olhos
Que se exalta
O verbo amar;

No meu tempo
Todo templo
Infelizmente,
Fala muito
Ama pouco
E ainda mente.

[e o fiel
a lamentar
inconformado,
tem o direito
de ficar
calado.]



Thuan B. Carvalho

8 de nov de 2012

Idade do Tijolo


O homem das cavernas
Olhou pela janela
Do sétimo andar

E ao Deus vermelho
Que cobria o sol
Pôs-se a orar.

O que fazer, pois
Se a idade é da pedra
e o homem também?

A idade do fogo
Já se apagou
Não sobrou ninguém.

[Um poema
talvez tenha nascido
da minha sacada,

Uma pena
Que do cimento
Não nasça nada.]


Thuan Bigonha de Carvalho

4 de nov de 2012

Estrada entre Vírgulas


A cor do som que faz
Tua alma ficar em paz
Colore minha primavera
E a nuvem - gota de orvalho
Bagunça a imagem que entalho
Da vida que não me espera.

O vento sobre o cabelo
Sussurra sem qualquer zelo
Segredos do fim de tarde
Desnuda meu céu inteiro
Acende, tal qual braseiro
E em mim vira tempestade.

E a Lua, de sobressalto
Pergunta-me lá do alto
"Que vida queres viver? -
Ser rei de todo esse mundo
Almejar o poder a fundo
Ou basta sentir prazer?"

19 de out de 2012

Pergunta In Verso

Qual é a cor do som que toca
As profundezas da alma da foca?

Quem me levou embora
O doce gosto amargo da amora?

Qual será a sensação
De ser Sol quando finda o verão?

Quando foi que aconteceu
De a memória esquecer você e eu?

Como é mesmo que fazia
O som que sua risada dormia?

Onde foi parar a textura
Que pintava nossa vida futura?

Qual é o nome do segredo
Que em silêncio te mata de medo?

Como se porta o pardal
Que te encanta do meu varal?

Quem é que é teu por direito
Pra que guardes no fundo do peito?

Quanto vale um dia inteiro
Sem da flor o ínfimo cheiro?

Quando será comemorado
O dia do céu nublado?

Qual o tempo exato do erro
A mão do gatilho ou os olhos no enterro?

Qual o passo certo da dança
Envelhecer ou crescer criança?

Quanto dói encher a vida
De orgulho, egoísmo e ferida?

Qual o gosto do som que faz
Teu demônio ficar em paz?

Que resquício divino te segue
Pra tua cruz não haver quem carregue?

Qual a alcunha promíscua e infame
Que você goza ao gritar meu nome?

Onde é que mora o passado
No choro do adeus ou no abraço apertado?

Por que foi que quando eu disse o que queria
disfarçado de poesia
restou-me a fotografia
e o tom cinza do licor?
(...)
Por que amor?


Thuan Bigonha de Carvalho.

17 de set de 2012

Saúde!


Marcar um encontro consigo
Jamais será desespero,
É mais adejar o abrigo
Que lhe competirá por inteiro;

Quem consegue enxergar em si
O destino da própria morada,
Crê que a vida é jocosa, e até ri
Muitas vezes da mesma piada;

Encontrar pelas ruas um pouco
Da magia atroz de ser louco
Por estar simplesmente a vagar,

Perder toda a noção de espaço
Brindar ao próximo passo
Mas saber por onde pisar.




Thuan Bigonha de Carvalho

3 de set de 2012

Onde Mora o Segredo


A magia que te tenho
É por demais abstrata,
Se calhar - não é desdenho
Nem lhe atinge a catarata;

Ao mirar-te, resplandeço
Chispo de dentro pra fora,
Em verdade, me conheço
Desse olhar que te enamora;

Esse meu olhar cravado
Que de muito te falar
Permanece calado;

Esse meu olhar escuro
Que de tanto brilhar
Livrar-te-á do apuro.




Thuan Carvalho.


*Confira o homônimo poético em: http://revelaresentir.blogspot.com.br

27 de ago de 2012

Letras ao Vento


Filosofia do Ocaso
Há lógica
ou descaso
no calhar do acaso?
A saber
Olhar
nem sempre
é ver.
Cônjuge
Me, comigo
Te, contigo
Quais as chances de você Nos conjugar?
Despudor
Por amor
pelo chão
amar-se-ão.
Vôo
O que me cola
em teu colo:
Ser vizinho do céu ou remoto do solo?
Desilusão
alta
é Falta?
Tônico
Pode o amor
ascender
sem poder?
Números
Não há magia
em contar
poesia.
História
De quanta efígie
contraditória
bebe a esfinge da memória?



Thuan
Bigonha
de Carvalho.

22 de ago de 2012

Ode à Moderna-Idade



Cabeças ocas e ainda assim preenchidas
Por ecos de morte em cantigas
Mal dormidas, repetidas
Em instantes de desatenção;

Sacolas vazias de amor
E cheias de vil pretensão
Olhos desatentos à cor
Ouvidos cautos à última liquidação;

Abjeta, qual caminhada chata
Passos se vão num compasso avulso
E seguem, de terno e gravata
O ritmo do relógio de pulso;

Mentes inertes, enclausuradas por inteiro
Em informações vindas não se sabe de onde
Crentes - Oh deus do dinheiro!
Descrentes - o amor já se esconde!

Cabeças baixas, olhos distantes
Do Céu, seguem distraídos
Mas sobem tão logo, hesitantes
Se encontram seus irmãos caídos;

Mendigos aos montes esbarram
Em muros de dignidade
Erguidos por poucos, que calam
Ante o doce som da modernidade;

O Sol, se pondo calado
A Lua, nascendo triste
Um, por sequer ser notado
Outra, sem dedos em riste.


À noite em silêncio então oro
Pela arte - flor que insiste em nascer
Orai junto a mim, eu imploro:

Que nesse solo de corações de pedra,
Regai, com suor e prazer,
Rogai, que de amor ela medra.


Thuan Carvalho.

14 de ago de 2012

Prosa Doce.


Ando represando em ti meus devaneios
Repensando em destruir esses freios
Que mínguam o interior de meu ser,
É que ao sentir sentimentos alheios
Sou incapaz de expressar meus anseios
E gozar com esse estranho prazer;

Ando procurando teu rosto n'Alva Lua
Recitando poemas na rua
Para a pedra no meu caminho,
É que a estrada sempre se insinua
Em toda placa vejo a imagem tua
Vou seguindo, mas sigo sozinho;

Nesse avanço, mesmo que lento
Não te alcanço, e muito a descontento
Dou por mim a mirar meu reflexo,
E por dentre meu corpo cinzento
Tua imagem se forma do vento
E eu me prostro de todo perplexo;


Como eu posso fazer rima se ao piscar tu me alucina com esse olor de cor vermelha?
Inspiro e em mim já se deita o dogma de minha própria seita que em ti por inteira se espelha,
Tal poema já se inclina disfarçado de chacina e sussurra em sua orelha,
Deito a tinta na caneta e num garrancho de cor preta faço mel de tua abelha.





Thuan Carvalho

2 de ago de 2012

Lamento.


E de tanto se conter,
Derramou em sua jornada;
Do nascer ao perecer,
Uma lágrima contada.

Não chorou quando neném,
Nem tampouco foi criança;
Completou meio vintém,
Sem de choro ter lembrança.

A primeira namorada,
Fez daquilo uma piada
E afastou-o de sua vida;

Foi então que, em agonia,
Derramou uma gota fria
No bilhete suicida.


Thuan Carvalho

21 de jul de 2012

Fragmentos de Nostalgia.



Tijolo
Vermelho ou alaranjado,
Não importa, ela diria;
Que menino até comia,
Quando estava amarelado.


Hidrante
Vigiava minha entrada,
Com seu terno abotoado;
Ai de quando a molecada
Lhe chovia no molhado!


Entardecer
Vôvô, conte uma história?
Só depois do meu abraço!
Tudo bem. Conte agora?
(e ele olhava, sem demora
espantado em como Flora
era dona de seus traços.)


Xadrez
João, que era bom com o peão,
Não andava a cavalo;
Ritinha, que sonhava ser rainha,
Pôs-se a ensiná-lo.

Francisco, que era filho de um bispo,
Não andava na linha;
Ao provar do fruto proibido,
Se casou com Ritinha.

(Tiveram ainda um neném
Que batizaram Vanderlei;
Soltava pipa como ninguém
E chegou a ser Rei.)




Thuan Carvalho.

15 de jul de 2012

Psicose.



Confesso que não sabia,
A hora em que você viria,
E por não saber, deixei por fazer
A barba que lhe arranharia.

A casa toda arrumei,
O álcool na pia entornei,
E por entornar, hei de embebedar
Seus restos que nunca encontrei.

Vesti o suéter vermelho,
Olhei-me defronte ao espelho,
E por refletir, pensei em partir
Por fim não segui meu conselho.

Quando foi a sua mudança?
Quem me roubou sua confiança?
E por me roubar, levou pra morar
O amor lado a lado à matança?

Aqui, cadente, inda estou,
Fixado, como me deixou,
E por me deixar, por não regressar
Foi como você me levou.




Thuan Bigonha de Carvalho.

11 de jul de 2012

Romântico.




Maria, meu curto amor de infância,
Foi uma que amei entre mil;
Mas esta me permaneceu na ânsia,
Mudou-se em meados de abril.

Dez anos sem qualquer notícia,
E quem me aparece na porta?
Maria - meu deus, que delícia -
Quem és é o que menos importa.

Com o corpo inteiro movido,
Pela solidão que me consumia;
Fui ter com ela embebido
de minha alforria.

E constatei, assaz entristecido:

Também não havia
poesia
No gemido
de
Maria.



Thuan B. Carvalho

9 de jul de 2012

Esotérica.


Fechou os olhos, consternada, e rolou novamente os búzios por sobre a mesa...

O movimento daquela vez fora diferente. A graciosidade envolvida superou qualquer lance anterior. Ambos os braços em concha, dois suspiros, os olhos fechados, narinas dilatadas, a boca numa prece silenciosa, e as pernas cruzadas numa prece inconsciente. O movimento com o pulso fez as tranças balançarem como se dançassem junto à fumaça que provinha dos incensos. Três incensos. Três lamparinas.


O pio da coruja foi trazido por uma coluna de vento que se arrastou molemente pela janela entreaberta, emprestando segredos os mais diversos ao ambiente, deitando contornos finais ao ato. 

Pensou em suicídio quando abriu os olhos, levantou-se, e, pela terceira vez naquela noite, encarou o rosto dele lançando luz àquela penumbra com seus olhos de amêndoa estrelada.



Nádja acordou com as mãos formigando, e a imagem retorcida de um homem que lhe parecia familiar povoando sua mente.

 Amaldiçoou seu sangue cigano, deu um beijo seco no marido e saiu para trabalhar.




Thuan B. Carvalho

28 de jun de 2012

Transcendência.


Desejou boa noite ao porteiro do clube, amarrou o cadarço do tênis, colocou o fone de ouvido e seguiu para casa.

Distraída no caminho, lembrou-se subitamente do sonho da noite passada, em que voava. Olhou para o céu, como que por instinto, e foi quando recebeu o primeiro pingo de chuva diretamente no queixo. O céu era tomado por um tom cinza-chumbo relampejado de quando em vez por clarões. Uma beleza exótica. 

Parou por um segundo, os olhos fixos nos pingos que desciam cada vez mais rápido, e permitiu-se saborear.

Respirou fundo, sentindo o cheiro de terra molhada; amarrou os cabelos, para sentir melhor a chuva; retirou o fone de ouvido, para ouvir os sons do mundo; fechou os olhos, para ver apenas com os outros sentidos; estendeu ambos os braços, a fim de tocar a água que descia do céu; abriu a boca, deixando a água preenchê-la totalmente; largou a bolsa ao chão, para suportar apenas a leveza da chuva. 

Enfim, durante aquele milésimo de eternidade, comungou com seu espírito e foi tudo o que nasceu para ser...


Daí para frente, quem a descreve é o silêncio.
(...)



Thuan B. Carvalho

27 de jun de 2012

Frenesi.



Etérea, a feminina louca
Armou-se de si, quão desvairada;
Jorrava encantamentos pela boca
Que, ditos, já não valiam nada;

Girava o mundo todo, e sacudia,
Diziam “esta jaz enlouquecida”;
Mas a verdade só ela sabia,
Estava no apogeu, cheia de vida;

A tapas, sem cessar, dispunha a cara
Dor em si era coisa muito pouca
Perto da alegria conquistada;

Jurava que a vida lhe segredara
Naquela voz tão sua, baixa e rouca:
“O mundo, meu amor, é uma piada”.




Thuan B. Carvalho

26 de jun de 2012

Aflição.



Olhou para trás pela sétima vez enquanto corria desabaladamente, entrando em vielas que julgava nem existirem. Sentia o coração bater no pulso, as pernas cederem ao cansaço, o sangue povoando o corpo, e a adrenalina brotar de cada poro de sua pele. Mas não podia parar. A tensão do momento se intensificava a cada passo, mas ela via luz à frente de uma esquina. Reuniu todas as forças sobressalentes e impulsionou o corpo desgastado rua a frente, na ânsia de alcançar aquele ponto luminoso. Sabia que era sua última chance. Tinha que continuar. Por si, por seus filhos, por seus pais. Inspirou pelo que parecia ser a última vez, levou os pés com sua força derradeira, e chegou finalmente ao fim da rua.

Mas então, quando virou a esquina...



Thuan Carvalho.

16 de jun de 2012

EnForca.




_ O _ A _ _ O


...

Estranho é viver num mundo em que cada vez mais se coloca horário onde sempre vai caber o coração.



Thuan Bigonha de Carvalho.

6 de jun de 2012

A Rosa do Amor














Quando o Amor fora moleque arteiro,
Nos Jardins da Eternidade,
Desafiou quem seria o primeiro
A pecar pela quantidade.

Havia em teus rosais um letreiro
Vestido da perene verdade
Gritando: “espinho faceiro!
Toque e ficarás por metade.”

O amante, achando absurdo,
Vestido de amor e paixão,
Fez-se então de ouvinte a surdo;

A mensagem transpassou suas orelhas,
Seu regado fez das rosas vermelhas,
Com o sangue de seu Coração.


                                 Thuan B. Carvalho

9 de abr de 2012

O Abrir de Abril


Abril. Abriu. Abril. Abriu. ...

Abriu-se. O trinco pende de lado, opaco. Havia ali antes uma porta? Não saberia dizer. O cheiro de mofo intrínseco à madeira sugeria velhice. As cores inerentes ao arabesco em sua maçaneta sugeriam juventude. Cedo ou tarde, era tempo de atravessar. Olhos abertos. Respiração lenta. Força. Coragem. Suor e lágrimas.

Folhas, muitas delas. Caídas. Arrancadas. Leves e secas. Vermelhas. O Verão passou por ali, pensou. Árvores nuas. Despidas de si. Paredes acinzentadas, construídas por pequenos ramos disformes de galhos. Não, espera... Na verdade são... palavras? Palavras de todas as classes e gêneros. A composição do local era a página de um livro borrada. Palavras. Outrora lhe disseram tanto!

Sentou-se. Vazio. Onde é que estava o silêncio? Em seu ouvido zumbiam a algazarra de mil vozes. Vozes. Vozes. Palavras. Nenhum acorde. Cordas grossas passavam por todos os lados. Cordas vocais que transportavam uma espécie de líquido. Opaco. Vazio.

Súbito. Arrojo. Ímpeto. Mãos puxavam cordas. Unhas descascavam palavras. Rasgou todas as letras. Engoliu algumas, cuspiu outras. Destroçou incessantemente. O local começou a se revelar. Paredes tão vermelhas quanto poderiam ser. Um piso pulsante como um vulcão. E quente. Um calor imenso começou a preencher o local.

Num único rompante, rompeu o instante.

A pureza o tocou. Esvaziou-se de palavras. Dali para frente, seriam ações. Revigorava-se. Vigor. Energia. Sangue. Calor. Sentidos. Coração.

Satisfeito e coberto de sangue, deixou apenas encostada a porta que se Abril.  


Thuan Bigonha de Carvalho

14 de fev de 2012

Verso do Só ___________________________ quando juntos as palavras são ações



Quão me atinge ser de longe
De teu suspiro violento
Me endoideço - feito monge
N’oração que, intensa, range
O altar do pensamento

Que infortúnio é a distância
Ao criar esse tabu
Me permanece na ânsia
De me perder na fragrância
Que envolve teu corpo nu

Até o aperto de teus dedos
Que na madrugada praticas
me tomam; Que mãos de rochedos!
A saudade me despe os segredos
O corvo da ausência me bica

Quem me dera teu tenro calor
Transformando saudade em ardor
E o tempo do “só” derretido


Para enfim preencher a noite, amor,
- estarrecido
Com o eterno silêncio de teu gemido








Thuan Bigonha de Carvalho

1 de fev de 2012

Obaké



O horizonte de meus anseios já não põe o Sol
O céu se estatiza num inebriante furta-cor
As ondas se ajoelham perante a magistral
Eloqüência do amor

O ar falta a si de tão denso
Às sombras não existe saída
A areia que trás os teus pés
É a areia da vida

Os seres, arfantes, proclamam
Imóveis em suas pegadas
Com vozes suaves, que cantam
Boleros das Terras Sagradas

O caminho em ti é tão claro
Teus mares, teu corpo e tuas cores
Que cedo me sonho em teus laços
A morrer de amores

E essa tensão que afaga e conduz
É a expressão mais clara e sincera
De que vieste, ao longo das eras
a banhar-me em luz






Thuan B. Carvalho