12 de dez de 2013

Ver-te Verde



Não se compara a qualquer terra
o verde de teus olhos, jardim
pois que nele a ausência se encerra
e brota os pedaços de mim;
 
E nascido de ti, me imagino
tão apto a frutificar
que viver só me é desatino
se de dentro do teu olhar;

O céu da tarde esverdeia
o mar, as ondas, areia
a lava de um vulcão,

Ardor de uma aranha na teia
verde é o tom que incendeia
o olho do meu furacão.


Thuan Carvalho

20 de nov de 2013

Curta a Metragem

Sinestesia da Gente

sem pensar
todo olhar
que te morde
é dente.
-

Minguante

despido de luz
vestido em capuz
o Amor
que está na estante.
-

Vício

trago
o afago
em doses
de desperdício.
-

Revelação

o "era uma vez"
se outra vez
é dica
do coração.
-

Tempero

na malga
o que salga
teu corpo
é o cheiro.
-

Covardia

amanhecer
sem você
é desperdiçar
bom dia.
-
 
Thuan Carvalho.

18 de set de 2013

Viagem de Ida


A mais bela das palavras, querida
pulsa em sabor
embebida.

O mais belo dos cenários, querida
mora na dor
da partida.

O mais belo dos perdões, querida
pulsa na cor
da ferida.

A mais bela das crianças, querida
jaz no calor
da avenida.

O mais belo dos sons, querida
pulsa entre o tambor
e a batida.

A mais bela das paixões, querida
jaz em palor
arrependida.

E o mais belo dos sentimentos, querida...
morrer de amor
em vida.


Thuan B. Carvalho

10 de set de 2013

Mão Dupla


Eu me cansei, de fato,
de não andar na contra-mão
de respeitar esses sinais
e de manter os pés no chão,

Eu me cansei do fato
de ter que ter explicação
para explicar uma vez mais
que não se explica o coração,

Cansaço
De aço
Maciço;

Resquício,
És viço
Ou vício?


(Eu me cansei de não poder arriscar a vida nas ruas do teu corpo naquele segundo valoroso em que atravesso teus sinais vermelhos e ouço a rotina do teu trânsito ensandecida a buzinar em forma de palavras e dizer que estou errado por não parar e olhar para os lados como se eu fosse uma pequena vírgula no mundo dos teus significados.)


Thuan Carvalho.

23 de jul de 2013

Atrás da Porta



Chega de recados mal dados de relatos fadados à devastação
Chega de calos pensados de fardos herdados da revolução
Chega e me cala falado e só fala calado pro meu coração.

Vai bendizer tua crença vai morrer da doença que assola teu imo
Vai refazer desavença vai ver quem dispensa teu eu bailarino
Vai e me volta criança e só cria esperança pro meu desatino.

Chega e sai sem demora do aqui e agora donde eu te preciso
Chega e sai nessa hora e finge que namora meu próprio sorriso
Chega vai me adora de forma sonora em segredo conciso.

Vai chega logo e me entorta e me planta e me corta pra causar teu palor
Vai chega e diz que não importa e sussurra “está morta” tua falta de amor
...
Vai chega e bate em minha porta
chega e invade minha aorta -
desabotoa meu interior.
Thuan Carvalho.

5 de mai de 2013

Sagrada Escritura

Eu queria escrever um documento
Que livrasse o mundo de todo tormento
Como uma ode, uma epopeia ou poesia 
(e não tolerasse alguém em desalento
Nem por mais um dia).

Eu queria pôr amor em cada letra
Que, se lida, pela alma já penetra
Em bambos toques de não realidade
(e a força que essa prosa impetra
há de alentar nossa felicidade).

Eu queria ser deus para os ateus
Um holocausto feito por judeus
Madalena apedrejando Jesus
(e a todo culto, enfim, dizer adeus
revelando-lhes a verdadeira luz).

Então num belo dia ao acordar
A voz da vida veio me chamar
Pr’ouvir o que ela canta o tempo inteiro
(e ali, estatelado, a escutar
perdi-me qual agulha no palheiro).

Vento, flor, céu, mel, zunido de abelha
Mão, nariz, olho, boca, orelha
A vida é uma eterna adequação
(e da percepção veio a centelha
que ateou fogo ao pé do coração).

E das compreensões - a favorita
Tal poesia já se encontra escrita
No Amor e sua eterna infinitude.
(e documentos dão falsa guarita
- é nos olhos de minha senhorita -
que Ele me encontra assaz e amiúde).




Thuan Carvalho.

2 de mai de 2013

Manoelizando a Rotina



Extasiado, arrebatado, engolido -
sou todas as derivações do arrepio dos pássaros
sob quatro sétimos de uma Lua mole
tentando tirar as letras
para dançar;
Outono tem cheiro de árvore com alaranjado,
me disse outrora um pássaro
sem se arrepiar
- e quando me inspiro
sou obrigado
a concordar;

A madrugada usa a escrita com delicada miopia
quanto mais longe - como saudade, passado, fotografia -
mais amuada a poesia;

Quando amanhece, o Sol deixa as letras oculadas...

(mas arrepiante mesmo é como as corujas se parecem com as palavras.)


Thuan Carvalho.

24 de abr de 2013

Entre Linhas


Palavra palavra palavra palavra
no meio de tantos falantes, barulhos
ribombos, acordes, arrulhos
... espero calado o teu retornar,

Palavra palavra palavra palavra
no compasso entre cada palavra [o suspiro]
é que espreito teu sangue de tinta [um vampiro]
sugando do som nosso silenciar,

E dos gritos calados, contidos
de sentimentos ensandecidos
se encherá inteiro o coração,

E no Céu, mudo, se desenhando
discreto, me pego contando
estrelas entre as linhas da tua mão.
Thuan Carvalho.

14 de mar de 2013

Poiésis


Que hoje o moderado seja parco
e atinja cada flecha o próprio arco,
Que hoje o falador seja loquaz
mas faça o silêncio que ninguém faz;

Que hoje o fim seja fenecimento
dando ao ponto do verso um elemento,
e ainda hoje o simples seja frugal
mesmo que no sentido literal;

Que hoje a troca passe a ser permuta
e de penas na mão, vamos à luta!
e que criança passe a ser petiz
versando alegre em seu próprio nariz;

Que hoje o esperto seja ardiloso
tornando-se das palavras fiel esposo,
e que avermelhado seja rubicundo
arrebatando em poesia o mundo.

Afinal, com que mais hoje há de rimar o dia,
Senão com a doce e indelicada poesia?


Thuan Carvalho,
em homenagem ao Dia da Poesia.

7 de mar de 2013

Morre quem dá Ibope, não nasce ninguém.



Morre quem dá Ibope e não nasce ninguém.

A morte morreu ontem
morre hoje
e continua,
morte mansinha
que é minha
e sua;

Morrem bedéis
dragões
e reis,
morrem em bordéis
galpões
sem leis;

Alheios e vendados, seguimos
indiferentes a qualquer morte real,
cultuando a vida da casca que construímos
extasiados de extermínio virtual

(mas o pranto continua no hospital:
"nasceu chorão meu filho que não tem nome
e ao chorar, se engasgou com a própria fome
nasceu formoso, ia se chamar Brasil
eu quis salvá-lo, mas ao gritar, ninguém ouviu.")


Thuan Carvalho.

4 de fev de 2013

Com Ti No Ar


Vai que a palavra
Como quem não quer nada
Como quem com a pá, lavra
Queira ser inventada?

Há mais sentir
(se não se para pra pensar)
Do que em diluir
Em diluar;

Quão imenso é o horizonte
(e visto de qualquer abismo)
Quando ao beber da sua fonte
Sinto em neologismo;

Quando com os olhos me penetra
E sua alma se insinua
Minhas mãos escrevem qualquer letra
Depois você me continua.


Thuan B. Carvalho

22 de jan de 2013

7 Versos para uma Boca antes do Beijo


Rasguei os céus em busca dos teus lábios
E por teu quase-beijar me apaixonei,
Reluto então em fechar os olhos sábios
Pra ver a boca qu'inda não beijei;

E a sina se repete antes do beijo:
Se toco os lábios pelos quais busquei
Ou cesso e, em desatino, apenas vejo.


Thuan B. Carvalho

15 de jan de 2013

Ode às Borboletas [do estômago]


Hoje é o famoso dia da desconstrução
em que as certezas todas de um coração
serão fragmentos de uma nova era,
Hoje os olhos falarão muito mais alto
e do contato, surgirá num salto
aprisionada e vil a estonteante fera;

Que engolirá você de dentro pra fora
e lancinada, ao se preocupar com a hora
vai perceber que estamos no mesmo segundo,
Que tocará com garras sutis sua alma
e no momento em que estiver mais calma
será o caos em todo o resto do mundo;

Levantarão vôo todas as borboletas
as coloridas, as brancas e as pretas
criando um céu jamais outrora visto,
E as árvores também se levantando
não se ouvirá, mas estarão cantando
a uma só voz em homenagem ao imprevisto;

E toda essa algazarra ao silenciar
(porque o silêncio é o fim de todo esse cantar)
vai lhe mostrar - tão clara - a voz que falta;
O caos, de tão intenso, era interno
a voz que falta está num beijo terno
e noutra boca há de cantar mais alta.



Thuan B. Carvalho

9 de jan de 2013

Viva a Utopia (Histórias mal contadas em poesia)



Um peito que estala
(será calar a voz
ou outra voz que fala?)


Quando a Alma repousa
(se não pousa,
como ousa
tanto usar
o ar?)


Molecagem no metrô
(a criança
se balança
sem saber
se já chegou).


Sobre lírios e leis
(vivia n’uma terra de cegos
em que donos de colírios
e de egos
eram reis.)


Então, veio o ano novo
(faz-se prece
que apetece
nova casca pro mesmo ovo.)



Quando a rima foi posta em xeque
(rimar emoção
com coração
isso qualquer moleque;
mas qual será
a palavra sublime
que com a própria rima rime?)


Amanhã não escrevo mais você
(decretarei
discreto
o dia internacional do analfabeto.)


E no caminho, ao chão, encontra a flor
(quão bom seria
então
cheirar a amor?)


Se a vida é mesmo essa jornada infinita
(quem diria
ser sobre nós 
- a poesia -
da caminhada mais bonita.)


Thuan B. Carvalho