28 de jun de 2012

Transcendência.


Desejou boa noite ao porteiro do clube, amarrou o cadarço do tênis, colocou o fone de ouvido e seguiu para casa.

Distraída no caminho, lembrou-se subitamente do sonho da noite passada, em que voava. Olhou para o céu, como que por instinto, e foi quando recebeu o primeiro pingo de chuva diretamente no queixo. O céu era tomado por um tom cinza-chumbo relampejado de quando em vez por clarões. Uma beleza exótica. 

Parou por um segundo, os olhos fixos nos pingos que desciam cada vez mais rápido, e permitiu-se saborear.

Respirou fundo, sentindo o cheiro de terra molhada; amarrou os cabelos, para sentir melhor a chuva; retirou o fone de ouvido, para ouvir os sons do mundo; fechou os olhos, para ver apenas com os outros sentidos; estendeu ambos os braços, a fim de tocar a água que descia do céu; abriu a boca, deixando a água preenchê-la totalmente; largou a bolsa ao chão, para suportar apenas a leveza da chuva. 

Enfim, durante aquele milésimo de eternidade, comungou com seu espírito e foi tudo o que nasceu para ser...


Daí para frente, quem a descreve é o silêncio.
(...)



Thuan B. Carvalho

4 comentários:

  1. Impossível transcrever sem ter transcendido.

    Você já esteve lá.

    ResponderExcluir
  2. aí está...vc tem espírito, moço. Coisa rara. Conserve-o, alimente-o.

    ResponderExcluir
  3. Confesso que não sei se entendi bem o final, mesmo assim achei maravilhoso. Deu para visualizar e sentir cada detalhe.

    ResponderExcluir