19 de dez de 2012

Sinto Nia



Sensação, por excelência
não tem nome, classe ou cor
Não se explica a existência
ninguém sabe o que é amor,
Vai dizer que nunca viu
[se não, é injustificável!]
Alguém dizer que já sentiu
um sentimento inexplicável?
O "sentir" nasceu aberto
sem registro no cartório
Veio pra ser descoberto
no sorriso mais simplório,
Vai brotar de um olhar
ou d'um gesto em gratidão
Que te faça arrepiar
os pêlos do coração,
E de ser indefinido
tão infinito e tão vazio
Receio então ter sentido
o sentimento que agora crio,
Faz babel e vendaval
cala a boca do estômago
Faz nevar no litoral
altera todo meu âmago,
Puxa-me para o fundo
Devolve-me à superfície
E sinto pulsar o mundo
Nas frases que ela me disse:
"meu bem, o amor não tem nome
é dito com os olhos, quão doce!
Não morre, não seca, não some
nem é sentimento, antes fosse!"


Thuan Bigonha de Carvalho

2 comentários: