21 de jul de 2012

Fragmentos de Nostalgia.



Tijolo
Vermelho ou alaranjado,
Não importa, ela diria;
Que menino até comia,
Quando estava amarelado.


Hidrante
Vigiava minha entrada,
Com seu terno abotoado;
Ai de quando a molecada
Lhe chovia no molhado!


Entardecer
Vôvô, conte uma história?
Só depois do meu abraço!
Tudo bem. Conte agora?
(e ele olhava, sem demora
espantado em como Flora
era dona de seus traços.)


Xadrez
João, que era bom com o peão,
Não andava a cavalo;
Ritinha, que sonhava ser rainha,
Pôs-se a ensiná-lo.

Francisco, que era filho de um bispo,
Não andava na linha;
Ao provar do fruto proibido,
Se casou com Ritinha.

(Tiveram ainda um neném
Que batizaram Vanderlei;
Soltava pipa como ninguém
E chegou a ser Rei.)




Thuan Carvalho.

20 comentários:

  1. Enquanto o entardecer realmente nos abraça o xadrez é feito fábula.

    Xeque- mate!

    (tijolo é o teor da fome)

    ResponderExcluir
  2. Observaçãozinha: Tira, com carinho, um chapéuzinho do vovô.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo cuidado, poeta; mas apesar de ter aprendido, vou deixar o original. Se por ventura for publicar, eu tomo um dos chapéus dele ;]

      Excluir
  3. Thuan,


    Teu Abrigo é muito lindo, meu Refúgio agradece a acolhida!




    Parabéns pela bela escrita e obrigada pelas palavras de carinho que deixaste no meu Encantaventos.

    Bj grande,

    Wania

    ResponderExcluir
  4. Teus fragmentos, pedaços de lembranças que se transformam em poesia.
    Gostei muito!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Muito legal!! é como alguém que pinta uma cena, mas vc fez com palavras! Gostei do conteúdo e da forma!

    []s

    ResponderExcluir
  6. Oi,menino, agradeço sua visita ao meu blog!!!! Adorei o XADREZ !!!

    abraços :))
    Neusa

    ResponderExcluir
  7. Lindos versos.
    Belo espaço.
    Ja seguindo para não perder o rumo daqui.
    Aguardo la no meu canto.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Que doce Thuan.
    Você expressou tão bem a leveza das coisas simples.
    Como por exemplo um tijolo, uma pequena coisa para muitos, talvez tão insignificante, mas que deu um ar todo especial.

    Agradeço a visita ao blog Contos Franqueados.
    Meu blog de fato é o Revelando Sentimentos.

    Estou seguindo aqui.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. Adoro estas quadras subordinadas a um pequeno tema...acho que tem um sabor das coisas antigas.
    beijo amigo.
    Graça

    ResponderExcluir
  10. Oi Tuan! Vim agradecer a visita e já fiquei por aqui lendo teus versos. Gostei muito da forma como tão bem você expôs sua poesia! Lindos versos. Parabéns, bjs

    ResponderExcluir
  11. o dom de soltar pipas é quase como Manoel de Barros, no sonho que se inventa a alegria contida é linda

    beijo

    ResponderExcluir
  12. Rimas leves como papagaios no vento.

    Lídia

    ResponderExcluir
  13. Tem como ler 'Entardecer' e não sentir um nó na garganta?

    ResponderExcluir
  14. "Foi andando a galope
    que o cavalo te pisoteou.
    Mas ao chegar na torre,
    se deparou com o bobo da corte!
    E de xadrez nada quis, apenas
    quis contribuir para o tabuleiro
    ficar mais engraçado...Fim de jogo!
    Xeque Mate!

    Abraços e desculpe a brincadeira,
    me empolguei.,,rsrs

    ResponderExcluir
  15. Achei muito engraçado o poema xadrez. Você é um ótimo poeta.
    Parabéns!

    ResponderExcluir