22 de ago de 2012

Ode à Moderna-Idade



Cabeças ocas e ainda assim preenchidas
Por ecos de morte em cantigas
Mal dormidas, repetidas
Em instantes de desatenção;

Sacolas vazias de amor
E cheias de vil pretensão
Olhos desatentos à cor
Ouvidos cautos à última liquidação;

Abjeta, qual caminhada chata
Passos se vão num compasso avulso
E seguem, de terno e gravata
O ritmo do relógio de pulso;

Mentes inertes, enclausuradas por inteiro
Em informações vindas não se sabe de onde
Crentes - Oh deus do dinheiro!
Descrentes - o amor já se esconde!

Cabeças baixas, olhos distantes
Do Céu, seguem distraídos
Mas sobem tão logo, hesitantes
Se encontram seus irmãos caídos;

Mendigos aos montes esbarram
Em muros de dignidade
Erguidos por poucos, que calam
Ante o doce som da modernidade;

O Sol, se pondo calado
A Lua, nascendo triste
Um, por sequer ser notado
Outra, sem dedos em riste.


À noite em silêncio então oro
Pela arte - flor que insiste em nascer
Orai junto a mim, eu imploro:

Que nesse solo de corações de pedra,
Regai, com suor e prazer,
Rogai, que de amor ela medra.


Thuan Carvalho.

12 comentários:

  1. Boa noite, obrigada pela visita e gentil comentário.
    Estou te seguindo e ja te digo: aqui sim se
    respira poesia, adorei e fico!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Como estava um pouco afastada estou tentando voltar aos poucos
    novamente tentando digerir o desconforto que estou passando no momento.
    Eu não posso parar muito menos desistir de lutar como sempre fiz.
    E a amizade nos da força sempre para continuar nossa jornada.
    Nessa rapida visite convido você a ler minha postagem
    também dizer se gostou do novo visual da nossa Viagem.
    Linda noite beijos no coração,Evanir.

    ResponderExcluir
  3. Hola Thuan, me encantó leer versos tan bellos e intensos.
    Gracias por la compañía y la visita, te dejo un fuerte abrazo, bonita noche.

    ResponderExcluir
  4. Os mendigos sempre esbarram
    nos muros da dignidade,
    não há saída.

    ResponderExcluir
  5. Embevecido...
    Sem mais para o momento (pois estou a controlar os arrepios que este post me trouxe, obrigado)!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. .


    Eu e outros profissionais da
    imprensa mobilizamos o MP pa-
    ra responsabilizar os culpa-
    dos. Mas a justiça é lerda.
    Um abraço e quando quiser, dê
    uma chegada em;
    http://palhacopoeta.blogspot.com
    e deixe lá um abraço que eu
    respondo com outro.

    silvioafonso





    .

    ResponderExcluir
  7. A nossa incapacidade de observar o que importa. Compramos sentimentos e vendemos o amor. Tá foda!

    ResponderExcluir
  8. No espelho do tempo a pedra há de florir.

    bj

    ResponderExcluir
  9. Pura verdade. Moderna-idade hipócrita.
    Bem bonita sua maneira. De escrever!

    Abraços, até breve.
    "__"

    ResponderExcluir
  10. Muito bom. Muito triste que seja tão verdadeiro.

    Alguns versos me lembraram essa cena do Across the universe: http://www.youtube.com/watch?v=Y3JtCAw4_R4

    ResponderExcluir