9 de jan de 2013

Viva a Utopia (Histórias mal contadas em poesia)



Um peito que estala
(será calar a voz
ou outra voz que fala?)


Quando a Alma repousa
(se não pousa,
como ousa
tanto usar
o ar?)


Molecagem no metrô
(a criança
se balança
sem saber
se já chegou).


Sobre lírios e leis
(vivia n’uma terra de cegos
em que donos de colírios
e de egos
eram reis.)


Então, veio o ano novo
(faz-se prece
que apetece
nova casca pro mesmo ovo.)



Quando a rima foi posta em xeque
(rimar emoção
com coração
isso qualquer moleque;
mas qual será
a palavra sublime
que com a própria rima rime?)


Amanhã não escrevo mais você
(decretarei
discreto
o dia internacional do analfabeto.)


E no caminho, ao chão, encontra a flor
(quão bom seria
então
cheirar a amor?)


Se a vida é mesmo essa jornada infinita
(quem diria
ser sobre nós 
- a poesia -
da caminhada mais bonita.)


Thuan B. Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário