6 de abr de 2010

Des Amor


- Amor, tenho algo importante a lhe dizer. Podemos nos ver hoje? - ele disse ao telefone, todo carinhoso.


- Hmm, eu também tenho algo a dizer, então um encontro hoje seria ideal - ela confirmou, nem tão amistosa assim.


~~


E naquela hora, naquele dia chuvoso, sentaram-se no restaurante que ele havia escolhido (previamente, bem previamente)


O garçom veio anotar os pedidos, até então tudo era formalidade.


- O que você tem para me dizer? - perguntou ela, um poço de curiosidade.


- Ah não, acho melhor você primeiro - revidou ele, um lago de cavalheirismo.


- Eu não tenho certeza mais se quero dizer... - ela ponderou, olhando para tudo menos para o rosto do namorado.


- Nem vem com essa, agora você vai ter que dizer. Eu só digo depois de você.


- Eu acho melhor não...


- Eu tenho CERTEZA de que é melhor SIM - definiu ele, olhando o garçom que já trazia a bandeja com as taças de vinho.


O olhar dele parou numa das taças e brilhou num suspense mudo.


- É a sua última chance, amor. Diga logo o que tem para me dizer! - ele suplicou, a última das súplicas.


- Independente do que eu diga, você vai me dizer o que tem para dizer depois? - ela protelou, já tendendo a falar


- Sim, prometo. Acho até que o que queremos dizer se parece - ele sorriu, achando mesmo aquilo.


Talvez tenha sido essa a frase que tenha mudado o destino dos dois para sempre, porque a partir daí ela percebeu que ele só falaria se ela falasse e que talvez ele quisesse a mesma coisa; e resolveu seguir em frente com o que vinha pensando em fazer há tempos. Tomou coragem (porque a bebida ainda não tinha chegado para ela tomar), inspirou, e começou:


- É que, bem... eu não sei como dizer isso. Na verdade eu tenho pensado durante todo esse último mês em como dizer, e o jeito eu já achei. Só não achei a forma de dizer sem te machucar. Então é o seguinte, espero que você não fique magoado. - Ela suava frio, mas sentia a coragem brotar - Eu tenho outro homem. E nós precisamos terminar.


Então o garçom colocou as duas taças de vinho em cima da mesa, e sorria num tom de “eu sei de tudo”. Deu uma piscadela para o rapaz, e saiu levando a bandeja. O rapaz olhou para todos os lados, menos para a namorada. Não conseguia. Não dava


- E então, o que você tinha para me dizer? - arriscou ela, para confirmar suas expectativas de que ele também queria aquilo


~


E ele olhou exasperado para a aliança de ouro que permanecia intragável no fundo da taça de vinho dela.




Thuan B. Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário