9 de fev de 2010

Quotidiano I - Almas que Choram



Ele voltava do clube a passos assimétricos, o calor extremo incomodando cada célula de seu corpo, mas mesmo assim cantarolava baixo um samba do qual queria se lembrar fazia uns minutos.


Repentinamente, chuva. Olhou para o céu intrigado, e havia apenas uma nuvem tímida, mas que se esforçava bastante, fazendo cair uma chuva mensurável. Ele fechou os olhos, e levantou as duas mãos ao céu, agradecendo a chuva sem desmerecer o calor. Ao seu redor, os pequenos rebuliços de transeuntes que há pouco praguejavam sobre o calor infernal agora corriam para baixo das marquises a fim de não se molharem com a chuva. Eterna complexidade do ser humano.


O tempo pareceu gostar de ser repentino, e do jeito que trouxe a chuva, levou. Porém, deixou um arco-íris, fragmento sublime que o rapaz não pôde deixar de perceber enquanto olhava para o céu. Flagrou o ocorrido por uns minutos, até que retirou o celular do bolso e começou a tirar fotos, pensando em mostrar para as pessoas depois como era lindo o tal do arco-íris.


Os transeuntes, por serem só transeuntes, ainda transitavam paralelos ao rapaz, com pressa de chegar a um lugar qualquer, novamente reclamando do calor. Viam o rapaz tirando fotos, olhavam para o céu, e exalavam um “ah, um arco-íris”. Contudo, eles já haviam deixado que aquilo se tornasse corriqueiro. O arco-íris passou a ser só mais um acontecimento efêmero de um dia em que chove enquanto faz sol, e até tinha sido explicado fisicamente. Olhavam para o rapaz, e pensavam “louco, coitado”.



Enquanto isso, no interior dos transeuntes, as respectivas almas que jamais compreenderam o comodismo de seus corpos choravam por não terem nascido no corpo do “louco”, do “coitado”. Desejavam intimamente renascer num corpo daqueles da próxima vez.




Alheia àquilo tudo, a alma do rapaz sorria, extasiada. Jamais se acostumaria com a mania boba de seu corpo de achar a vida linda todos os dias. Achava até que estava apaixonada.





Thuan B. Carvalho

Um comentário:

  1. Os dias de chuva podem ser bem mais felizes e libertadires. rs.

    ResponderExcluir