9 de nov de 2010

E se fosse?


Não.

Hoje não falarei de sentimento

Nem da dor, nem do amor ou sofrimento

Içarei simplesmente letras ao vento

E hei de trovar o dia - impaciente e lento

É.

Descreverei assim o Romeu das telas

Encarnarei Pierrot e suas donzelas

E no final, por pena, quem sabe elas

Como Geni, hão de amar minhas mazelas

Sim!

Vou cantar aquela música do Aladin

Mas para a flor - e não mulher - Jasmin

Vou aos céus, convidar o Querubim

Para ver o pôr-do-sol perto de mim

Há.

Vou ao rio me benzer e me banhar

Ver São Jorge e o dragão a duelar

E nesse banho, que é de rio e de luar

Vou ver fundir-se em raiz meu calcanhar

Pronto.

Não vou tocar nesses assuntos delicados

Só quero o cheiro da bromélia - quente e doce

Queria eu vê-los fundidos, transformados

Sei que flor não é amor, mas e se fosse?



Thuan B. Carvalho

Um comentário:

  1. Agora são exatamente 05:59 da manhã e eu estou me setindo grada a Deus por ter acordado e, aleatoriamente, entrado nesse blog para ler tais entrelinhas que me afagam o âmago e acarretam um inexplicavel conforto ao dia!!!
    Agora me sinto pronta para sair de casa e enfrentar o cotidiano...agora sim estou pronta. [respiro fundo, contraio os lábios, sorrio e agradeço:)

    Muitíssimo Obrigada, poeta!

    ResponderExcluir