14 de ago de 2014

Toda Olvido

Escuta o passado
o som do chicote
a pressa no trote
de quem, a pinote
me fez de mascote
e tentou me domar,

Escuta calado
o olho no olho
sem dente por dente
cavalo de raça,
não vou achar graça
se o som te chocar,

Aceita o presente
meu tão dolorido
contuso, ferido
meu leso gemido
que do meu ouvido
eu quero olvidar.


Thuan Carvalho

*arte: Giuseppe Mastromatteo

2 comentários:

  1. Bela construção poética! Parabéns pelo blog e contente pela tua leitura, garoto! Abraço :)

    ResponderExcluir
  2. Tua escrita flui como o tempo, Thuan... Sem que a gente veja vai deixando marcas no peito e na pele... Lindo!

    ResponderExcluir