16 de jul de 2010

Am… (?)

A campainha.

Impressionante como aquela leve badalada vinda da porta produzia a sensação equivalente a de uma injeção de adrenalina em seu corpo. Seu coração batia no ritmo das batidas da visitante, enquanto ele passava as mãos nervosas no cabelo, em frente ao espelho, para ficar mais apresentável.

Seguiu até o hall e abriu a porta, encontrando aquela princesa ali parada, observando. Marie trazia os olhos levemente umedecidos, o que John logo percebeu, quando tomou-a pelas mãos e a abraçou. John pensava no motivo de os povos até hoje não tomarem o perfume de Marie como uma arma potencialmente perigosa. Bastava que soltassem a garota com seu cheiro num país, e John tinha certeza de que tal país cairia de joelhos aos seus pés.

Marie é demais.

- John, muito obrigado por me receber nessa noite de sábado. Sei que estou atrapalhando algum encontro seu, mas obrigado mesmo; eu realmente estou precisando. Você é um ótimo amigo.

Amigo. Amigo. Amigo.

Aquelas palavras ressoaram na cabeça do rapaz, fazendo com que ele se perdesse da admiração por uns breves instantes, para se lembrar do panorama pelo qual a garota o via. E ela o tinha como amigo.

Era bem verdade que ela deveria conhecer as intenções de John, que desde que se entendia por homem era apaixonado por Marie, mas ela o via como um amigo. Enquanto ele só pensava em mergulhar naqueles lábios borrados de batom, ela queria um abraço e um conforto. E sobre o cancelamento do encontro, era mentira. John ia ligar o computador e acessar qualquer site de sacanagem. Mas quem precisa saber disso?

- Você sabe que pode contar comigo, Marie. Para o que quiser.

John sorriu. Marie sorriu, entre algumas lágrimas. E se sentaram na cama. Foi lá que Marie desabou. Contou sobre seu problema, sobre como estava infeliz, sobre como queria que as coisas fossem diferentes com os homens. E John sabia.

Marie nunca assumiria, mas também amava John. Enquanto não assumia, mantinha aquele relacionamento como uma amizade, e tratava todos os outros relacionamentos como um lance, nada mais do que prazer. Curtia, “recurtia”, e sempre repercutia ali: ambos conversando, ela chorando, ele acalmando. Era uma sina dolorosa. Principalmente para ele.

Continuaram conversando, até que Marie pegou no sono. John tirou-lhe os sapatos, ajeitou-a na cama, e cobriu-a com sua colcha. Deitou-se ao lado dela, terminou de ver o filme, depois ficou encarando o “sobe-desce” do corpo da garota, que respirava pesadamente enquanto dormia.

Quão indescritivelmente lindos eram aqueles olhos fechados?

Quão indubitavelmente linda era aquela respiração cansada?

Quão irremediavelmente apaixonado John estava?

Sacudiu a cabeça, passou a mão levemente pelo rosto de Marie, e acabou adormecendo.

E no outro dia, mais uma batalha a ser vencida. John acordou, e encontrou Marie de pé, vestindo apenas calcinha e uma camisa larga dele, fazendo o café. Sentou-se na mesa, atordoado. Marie sorriu, deu-lhe um beijo na bochecha, e serviu ovos mexidos e torrada. Ele queria MARIE mexida com torradas no café, mas não disse nada. Guardou o pensamento para si, enquanto observava, sem que ela percebesse, aqueles contornos que ele tanto amava.

- John, muito obrigada MESMO. Você é um anjo e não sabe.

Os pensamentos de John no momento estavam longe dos afazeres de um anjo, e ele só conseguiu sorrir.

- Quando precisar, Marie... Quando precisar.

E a frase ficou no ar, enquanto ela se despediu, vestiu suas roupas e saiu. Virou-se para trás por um breve momento, jogou um beijo e piscou os olhos. E se foi.

Levou consigo todo o seu perfume, toda a essência e toda a vida de John.

“Esse rebolado um dia me mata”, pensou John.

Sem saber que.

Dia após dia.

Morria.

- Thuan B. Carvalho

Um comentário: