12 de jul de 2009

A vida não rima.


Sinceramente, sinto-me muito bem
não fosse essa fumaça!
Há tempos era do trem,
hoje do carro que passa.


Acreditava ser impossível
que alterassem a cor do mar
que temor! quanto pesar!
É perfeitamente visível
e dói a vista quando olho
que o mar passou a ser
contra tudo o que se poderia crer -
azul-petróleo.


Michael Jackson, denovo esse nome?
desligo minha TV e vou para a cama.
Por que não se ater ao problema da FOME
Em vez de tornar problema a FAMA?

Agora já não estou tão bem
vivo num mundo de ninguém
que tem alguém para governar!
O Luar é a saída
para que os pesares dessa vida
não me façam deteriorar.


E a rotina se torna vermelha
cor de sangue, fogo, paixão...
faço da esperança uma centelha
para que ela torne-se vermelho-coração.


Mas tenho a ímpar sensação
de que as coisas não vão se alterar.
Você também sente, então?
a sensação agora é par.




Thuan B. de Carvalho



3 comentários:

  1. AAAh irmão. Mais um poema liindo!

    ResponderExcluir
  2. - Gosto de vir a blogs assim, onde vejo q não estou perdendo meu tempo, nem vc o seu .. é estranho mas interprete como quiser, a sensação q tive ao terminar de ler foi q me perder pelos seus pensamentos é experimentar muito mais do q cinco sentidos! Parabéns Thuntz, fiz muito gosto msm! =]

    ResponderExcluir
  3. Fantásticas as rimas das duas primeiras estrofes!!
    Seu estilo é muito legal cara! Continue assim!

    ResponderExcluir