4 de ago de 2011

Afinal, quanto custa?



Um choro de saudade,
Um sopro de verdade,
Andar pela cidade; quanto custa?
Amor na flor da idade,
Chuva de fim de tarde,
Tensão que mansa invade - e que assusta!
Quanto custa?
Um pingo de piedade,
Boiar sem densidade,
Ser a própria gravidade! Quanto custa?
Diz! Quanto custa?!
Que eu vendo a mocidade,
Leilôo a tempestade,
Dispenso a qualidade, tão fajuta!
Depeno essa maldade,
Transbordo de bondade,
Encaro a cristandade - vou à luta!

E se acaso, dia funesto
Seu Deus, quão desonesto!
Quiser a minha vida
Por achar a troca injusta;
Darei-a, não interessa
Para o amor não terei pressa
Se me for respondido
Quanto custa.


Thuan Bigonha de Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário